Notícia
Força-tarefa contra o roubo de cargas
Postado em: 24/06/2015
Força-tarefa contra o roubo de cargas
Um trabalho de integração e prevenção. Se precisasse ser definido em poucas palavras, essa seria a menor forma de conceituar o Workshop sobre Prevenção e Combate ao Roubo de Cargas no TRC, realizado na manhã de 23 de junho, no Transcares, em Jardim América, Cariacica. O evento reuniu mais de 100 pessoas, que lotaram o auditório do sindicato para ouvir as palestras do Assessor de Segurança da Associação Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (NTC&Logística) e uma das maiores autoridades no assunto, coronel Paulo Roberto Souza, do delegado de Combate ao Roubo de Cargas, Tarciso Peruza, do tenente coronel Marcelo Correa Muniz, integrante da Diretoria de Inteligência da Polícia Militar do Estado, e do inspetor da Polícia Rodoviária Federal Emanoel Oliveira.

Além dos palestrantes, também prestigiaram o evento, dentre outros convidados, os presidentes do Transcares, Fetransportes e Sindliqes, Liemar Pretti, José Antonio Fiorot e Joceny Callenzane, respectivamente, o secretário de Estado de Segurança Pública, André Garcia, e seu subsecretário, Guilherme Pacífico, o inspetor-chefe da Alfândega, Flávio José Passos Coelho, o coronel e Assessor de Segurança do Sindicato das Empresas do Transporte Rodoviário de Cargas e Logística do Rio de Janeiro (Sindicarga), Venâncio Moura, o coordenador de Segurança Portuária da Codesa, Enildo Pereira Gonçalves Júnior, o superintendente da PRF-ES, Fernando César Pereira Ferreira, o representante da Infraero Rodrigo Piona Engellender, dentre outros.

Na abertura oficial do workshop, tanto o presidente do Transcares, Liemar Pretti, quanto o da Fetransportes, José Antonio Fiorot, falaram do objetivo central do workshop, que é reunir forças e se prevenir desse tipo de delito. “Nossa ideia é sair desse dia de trabalho com um trabalho de prevenção para que consigamos combater o problema antes mesmo dele se instalar aqui”, resumiu Pretti. E Fiorot completou. “A Região Sudeste responde por mais de 80% dos casos de roubos de cargas no Brasil. E embora as ocorrências do Espírito Santo representem uma parcela muito pequena do montante, o trabalho de integração entre polícia, poder público e empresas é fundamental para que não ultrapassemos essa margem”.

Guilherme Pacífico, subsecretário da secretaria de Segurança Pública e parceiro do Transcares na realização do evento, reforçou o trabalho em conjunto. “Juntos, estamos realizando ações de integração que visam ao enfrentamento do roubo de cargas. Crime organizado é sinônimo de sociedade e poder público desorganizados. Nosso trabalho, portanto, tem como objetivo justamente mostrar que juntos somos mais fortes”.

O segmento logístico é responsável por R$ 447 bilhões, que representa 8,1% do PIB. O rodoviário, por sua vez, gera um faturamento anual de R$ 320 bilhões, que equivale a 5,8% do PIB. Com esses dados, que comprovam a grandeza da atividade para a economia brasileira, o coronel Souza iniciou sua apresentação, cuja proposta principal era mostrar um pouco do cenário do roubo de cargas e apresentar algumas sugestões para seu combate.

Segundo ele, as ocorrências só cresceram nos quatro últimos anos. Em 2011 foram 13 mil casos. No ano seguinte, 14.400; em 2013, 15.200; E ano passado as ocorrências bateram o número de 17.500. A Região Sudeste responde por 85,31% dos casos – com maior incidência em São Paulo e Rio –, mas o assessor de segurança mostrou que o número de casos tem aumentando em Minas Gerais, Paraná, Goiás, Bahia, Recife e Ceará.

Outro dado importante apresentado foi o fato de 80% das ocorrências ocorrerem em zonas urbanas e apenas 20% em rodovias. “Isso denota o que chamamos de roubo de oportunidade, em que os produtos roubados têm menor valor agregado, como cigarro, bebidas e produtos alimentícios, e são mais fáceis de serem distribuídos aos receptadores. Os roubos em rodovias, por sua vez, têm impacto maior porque os produtos têm maior valor agregado, como produtos eletrônicos e medicamentos”, explicou.

Souza, no entanto, não listou apenas problemas. No final da palestra ele já deu algumas ideias de como enfrentar essa realidade, que além do prejuízo financeiro acarreta, também, danos psicológicos aos profissionais do volante. Em nível regional, ele sugeriu a constituição de um grupo de segurança que promova a integração de policiais e entidades locais; levantamento estatístico periódico na área, identificação dos locais de maior risco; massificação do uso do Disque Denúncia; cessão de imagens, pelas concessionárias das rodovias, às polícias; Implantação, pelo Detran, da legislação aplicável ao funcionamento e fiscalização dos desmanches de veículos; regulamentação e implantação da Lei 121/06, que prevê aumento de pena e cassação do CNPJ do receptador da carga roubada.

“Só tem roubo de carga porque existe a figura do receptador. Entendemos, portanto, que se conseguirmos tirar esse comerciante do mercado conseguiremos mudar esse cenário”, acredita Souza, que elogiou o trabalho proativo do Espírito Santo. “A pujança do Estado está trazendo quadrilhas para o Estado, mas vocês tão tratando o problema de forma preventiva. Esse é o caminho”, ressaltou.

Antes do encerramento do workshop, o secretário de Segurança, André Garcia, fez questão de reforçar o que Guilherme Pacífico, Liemar Pretti e José Antonio Fiorot já haviam dito no início do evento: a importância das ações integradas. “Felizmente, o Espírito Santo não participa de forma significativa das estatísticas de roubo de cargas e estamos trabalhamos de maneira preventiva justamente para evitar que cheguemos a um ponto de descontrole. Estudo, trabalho e prevenção: esse é o objetivo do grupo que estamos formando para enfrentar o assunto. Atuaremos de maneira integrada”.

Reunião da área de inteligência

Depois do workshop, representantes do Transcares, da secretaria de Segurança, das polícias Militar, Civil e Rodoviária Federal, da Infraero, da Alfândega e do Sindicato das Empresas do Transporte Rodoviário de Cargas e Logística do Rio de Janeiro (Sindicarga) se reuniram no início da tarde e participaram de uma reunião inédita para iniciar o trabalho de planejamento das ações de integração.

O roubo de cargas no ES

- No primeiro semestre de 2014 foram registrados 13 casos de roubo e furto de cargas no Espírito Santo. No segundo semestre, foram 22 e no primeiro semestre deste ano, o número foi de 17. As estatísticas mostram uma redução de 23% nas ocorrências registradas em comparação ao segundo semestre do ano passado e aumento de 30% em relação ao mesmo período do ano 2014;

- A maior predominância de furtos e roubos acontece no interior dos bairros (equivale a 53% das ocorrências);

- No comparativo com os semestres anteriores, as ocorrências em bairros têm aumentando, em contraposição à redução nas rodovias;

- O cigarro continua sendo um dos principais produtos alvos das ocorrências de furto/roubo de carga, correspondendo a 65% das ocorrências;

- 76% das ocorrências registradas em 2015 se concentraram no período da manhã;

- Segunda, terça, quinta e sexta-feira são responsáveis por 82% das ocorrências.

Fonte: Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal do ES
Galeria de Fotos
1


Voltar!