Notícia
Roubo de cargas é assunto em Minas também
Postado em: 23/08/2016
Roubo de cargas é assunto em Minas também
Uma semana após o Fórum de Prevenção e Combate ao Roubo de Cargas no Transporte Rodoviário de Cargas e Logística, realizado em 10 de agosto, no Clube dos Oficiais de Vitória, o presidente do Transcares, Liemar Pretti, e o superintendente Mario Natali estavam participando do 17° Encontro Mineiro dos Transportadores Rodoviários de Cargas (EMTRC) e RioMinasTranspor 2016, em Belo Horizonte, e no último dia da feira, 20, marcaram presença na reunião do Grupo Técnico de Trabalho de Segurança Logística do Setcemg (Sindicato de Cargas de Minas Gerais) e da Assessoria de Segurança Patrimonial da Fetcemg (Federação de Transportes de Minas Gerais), que reuniu mais de 70 pessoas para discutir ações e integrar informações sobre o atual cenário de roubo de cargas.

O evento começou com a palestra do coronel Paulo Roberto de Souza, representante da NTC&Logística, que levou números do crime que ocorrem em todo o País. Souza destacou que os produtos mais visados pelo crime organizado são eletroeletrônicos e produtos farmacêuticos.

Souza fez também um comparativo do número de ocorrências de 2015 e 2016. “Em 2015 foram 7.225. Só no primeiro semestre deste ano já foram registrados 4.139 roubos, o que nos leva a crer que o número de 2016 será maior que no ano anterior”, disse. A mesma previsão foi feita pelo diretor da área de segurança do Sindicarga (Sindicato de Cargas do Rio), coronel Venâncio Moura, que destacou que, pela projeção, o número de roubos de cargas passará de oito mil.

Segundo o delegado de Roubo de Cargas do Rio de Janeiro, Marcelo Martins, o aumento do crime no Estado se deu devido ao tráfico de drogas, que agora também pratica o roubo de cargas.

Atualmente, a maioria dos roubos acontecem sob encomenda, ou seja, já tem um receptador esperando pela carga. É o que afirmou o delegado da Polícia Civil titular da 90ª Circunscrição de Caruaru (PE), Luiz Bernardo Moraes. “Os criminosos não se limitam a assaltantes que interceptam caminhões nas estradas, o roubo de cargas é mais complexo e engenhoso. Hoje, a maioria dos roubos já são cargas encomendas. O crime se tornou uma rede de negócios, implantando uma estrutura que envolve executivos e empresários em busca de mercadorias valiosas”, explicou.

O delegado disse ainda que uma das medidas que auxiliam no combate ao crime é a integração das polícias, da inteligência das polícias Federal, Civil e Militar.

Reforçando a ideia de integração como uma das medidas de combate ao roubo de cargas, Mario Natali levou propostas do Espírito Santo para o setor. Uma delas é a criação de um protocolo de procedimentos comuns aos órgãos policiais, frente aos sinistros de furto e roubo de cargas, bem como a unificação dos registros de estatísticas desses sinistros.

Integração com as polícias

A integração é um dos pontos defendidos pelas polícias de Minas Gerais, com o objetivo de proporcionar uma maior e mais rápida troca de informações das transportadoras e polícias.

Por meio do trabalho desenvolvido pelo GT – Segurança Logística e pela assessoria de segurança patrimonial da Fetcemg, foi criado pela 2ª RPM da Polícia Militar o Projeto Carga Segura, apresentado pelo Coronel da Polícia Militar e comandante da 2ª RPM, Roberto Lemos, durante a reunião.

“O Projeto Carga Segura busca a aproximação e mobilização comunitária por meio do fluxo constante de informações. É uma estratégia capaz de unir os esforços de toda uma comunidade específica, disseminando mensagens e privilegiando a transparência das ações policiais, as quais estão pautadas na análise constante dos pormenores sociais, tudo isso em uma parceria fundada entre a Polícia Militar e a Comunidade que atua no transporte de carga”, explicou.

Representantes da Polícia Rodoviária Federal apresentaram as principais rodovias em Belo Horizonte e Região Metropolitana em que acontecem o roubo de cargas. A BR 381 é a campeã, seguida pela BR 040.

Durante o encontro, também foram apresentadas algumas medidas que estão sendo tomadas para a prevenção e combate ao roubo de cargas. O superintendente do Transcares destacou a Lei Estadual Nº 8.246/06, que prevê a cassação da eficácia da inscrição estadual para estabelecimento que adquirir, transportar, estocar, distribuir ou revender produtos oriundos de cargas roubadas, por exemplo.

Fonte: Assessoria Setcemg


Voltar!